Perdão! E uma receitinha, se quiserem :)

Queria pedir perdão a quem vem aqui ler o blog – sim, tem bastante gente que me acha nos googles da vida, geralmente pesquisando sobre baby-led weaning e finger food. Tem faltado um pouco de ânimo para escrever, confesso. O calor tá de rachar e a vontade é ficar lá fora, na piscina com a Lily todos os dias, o dia inteiro… Cozinhar definitivamente não é uma prioridade, escrever sobre comida então, nem pensar.

O que aconteceu nos últimos tempos é que a Lily fez um aninho em junho, fomos ao Brasil comemorar e eu fiquei bege com a quantidade de porcaria que os enlatados e os “encaixados” tem. Jesus, é impossível achar um suco ou um iogurte sem açúcar, corante e conservantes mil. Aliás, deve até ter, né, mas que achar é complicado, isso é. Acabou que eu liberei um monte de m***a que em casa eu jamais daria, e só darei quando achar conveniente.

Os palpites eram esperados e foram solenemente ignorados, e por incrível que pareça, ninguém falou nada (na minha frente) sobre ela ainda mamar no peito.

A boa nova é que minha mãe ficou encantada com ela comendo sozinha – como ela come bem e de tudo que colocar pra ela, e como a bagunça é pequena! hahaha Agora ela tá aprendendo a usar a colher e o garfo sozinha, é uma graça, mas ela mesma perde a paciência lá pela terceira colheirada e volta a comer com a mão.

Depois que ela fez um aninho, já experimentou duas coisas que eram “proibidas”, mel e camarões.

Sem (muito) mais enrolações, a receita do dia: macarrão! Olhando os arquivos, percebi que nunca dei uma receita de macarrão.  Aqui em casa, é um campeão, se tiver macarrão, posso ter certeza que a Lily vai comer tudo.

Macarrão com abobrinha e atum

Ingredientes

  • 220 gramas de macarrão cru
  • 2 abobrinhas lavadas e cortadas em cubinho
  • 1 lata de atum (em água)
  • 200 ml de molho de tomate
  • 1 cebola
  • alho a gosto
  • azeite de oliva

Forma de preparo

  • Cozinhe o macarrão conforme as intruções da embalagem.
  • Enquanto isso, coloque o azeite de oliva, a cebola e o alho no fogo. Deixe fritar por 1 minuto, mais ou menos.
  • Acrescente a abobrinha e deixe cozinhar por cerca de 10 minutos em fogo médio.
  • Acrescente o molho de tomate e o atum e deixe cozinhar por mais 5 minutos.
  • Misturar tudo e comer!🙂

Observações de praxe:

  • A receita é suficiente para dois adultos e um bebê de um ano.
  • Continuamos usando o mínimo do mínimo de sal aqui, mas reconheço que essa receita pode ficar meio doce sem adicionar sal, então recomendo colocar um teco de sal, ou acrescentar queijo ralado, ou ainda azeitonas (Lily adora, come antes de tudo!)
  • Macarrão tipo penne, fusili (parafuso) ou farfale (gravatinha) são ótimos para crianças menores pegarem, e o fusili em especial é ótimo com essa receita, porque o molho “entra” na massa.
  • Como macarrão é peça fundamental na alimentação da Lily, procuro variar entre as variedades, compro o normal, o integral, o com espinafre , massa fresca, massa com ovos…
  • Para crianças que não gostam dos pedaços da abobrinha, uma alternativa é ralar. Pode também acrescentar cenoura ralada no molho, fica ótimo.
  • Eu uso molho de tomate que eu compro no supermercado, 100% tomates orgânicos, mas como não sei se no Brasil existe alguma coisa parecida, sugiro que façam o próprio molho. Não é muito complicado, se alguém tiver interesse eu passo a receita – dá pra fazer um monte e guardar pra quando precisar.

O que é Baby Led Weaning? {parte 2}

Já fiz post com esse mesmo nome logo no comecinho do blog, mas como várias pessoas estão chegando aqui procurando por BLW no google, resolvi traduzir mais uma explicação a respeito do método, dessa vez traduzido do site babycentre britânico.

O que é baby-led weaning?

Baby-led weaning (geralmente abreviada para BLW) significa deixar de lado papinhas e colheres e simplesmente deixar o bebê se alimentar sozinho. Muitos pais inconscientemente escolhem BLW, especialmente com o segundo ou terceiro filho. Bebês adoram copiar os irmãos mais velhos e tentar pegar comida de seus pratos e geralmente ficam mais contentes se deixem que se alimente sozinho

Por que BLW está se tornando tão popular?

Desde a década de 1960 a idade recomendada para a introdução de sólidos passou de três para quatro e, finalmente, para seis meses, mas a forma como se introduz sólidos ainda é direcionada a um bebê de três meses. Pais tradicionalmente apresentam aos seus filhos uma fruta ou legume por vez, evoluindo para comida amassada  e outros pratos contendo pequeno pedaços após vários meses.

Em 2003, o governo do Reino Unido mudou a recomendação de acordo com a Organização Mundial de Saúde sobre a idade para bebês começarem a ingerir sólidos – a recomendação é iniciar aos seis meses. Nessa idade, a maioria dos bebês tem o pescoço firme e conseguem se sentar com apoio. A coordenação motora-visual está suficientemente desenvolvida para que eles consigam pegar a comida.

Apesar do Departamento de Saúde (Ministério da Saúde britânico) recomendar que se comece o processo com comida amassada, ele também recomenda a introdução de finger foods tão logo os pais achem que seu bebê está preparado. Alguns pais consideram seus bebês prontos de imediato (aos seis meses).

Quais os benefícios?

Gill Rapley, uma health visitor* há 25 anos, tem interesse especial em BLW. Ela acredita que bebês que são encorajados a se alimentar sozinhos, com a oferta de uma seleção de alimentos nutritivos, pode facilmente se juntar às refeições da família desde o começo e tem menos probabilidade de recusarem algum alimento quando mais velhos. Ela consideram que muitos problemas de alimentação na infância surgem da falta de vontade ou inabilidade de aceitar alimentos que requerem mastigação, e esses problemas se tornam aparentes quando bebês mudam das papinhas para as comidas de “segundo estágio”, que contém pedaços. Ela também sugere que a indústria de alimentos para bebês põe pressão desnecessária nos pais para introduzir papinhas na dieta dos bebês muito cedo.

Como fazer?

Pais que usaram BLW recomendam alimentos em forma de palito, ou alimentos que tenham cabo, como brócolis cozido. Isto porque bebês pequenos ainda não desenvolveram o movimento de pinça e só conseguem pegar alimentos com a mão toda. Se você quiser tentar BLW, ofereça uma seleção de alimentos nutritivos adequados à idade do seu bebê quando você e sua família estiverem comendo e deixe ele participar. No começo ele provavelmente vai somente brincar com a comida, ou talvez pegue pedaços de comida e comece a chupar. Continue amamentando entre as refeições. Conforme seu bebê for comendo mais sólidos, a quantidade de vezes que ele mama irá naturalmente diminuir.

Meu bebê não vai engasgar?

Pais (particularmente aqueles que introduziram sólidos na forma de papinhas para seus filhos mais velhos) se preocupam sobre a possibilidade do bebê engasgar ou ter ânsia de vômito. Gill Rapley argumenta que desde que o bebê saiba se sentar, o fato de ele conseguir manipular a própria comida e colocá-la no fundo da boca significa que o risco de engasgo é mínimo. Entretanto, é importante lembrar que bebês nunca devem ser deixados sozinhos enquanto comem.

BLW é adequado tanto para bebês amamentados quanto para bebês alimentados com fórmula?

A maior parte dos pais que experimentam BLW amamentaram os filhos e enxergam no BLW uma extensão natural do processo de amamentação. Bebês amamentados geralmente se alimentam em livre demanda e amamentação é um processo ativo, em que os bebês precisam se esforçar, usando a língua e a mandíbula para fazer a pega correta e chegar ao leite eficientemente. Pesquisas mostram que bebês amamentados regulam sua ingestão de calorias conforme suas necessidades. Faz sentido que bebês que regulam quando leite materno eles ingerem também regulem quanta comida consumirão.

Entretanto, não existe qualquer motivo que impeça um bebê alimentado por fórmula de ser introduzido aos sólidos desta forma. Se o seu bebê foi alimentado com leite artificial, você deve oferecer água diversas vezes entre as mamadas e durante as refeições. Bebês alimentados ao seio não necessitam de água porque leite materno é tanto comida quanto bebida.

Quais as desvantagem do BLW?

Nem todas os alimentos podem ser cortados de forma que seja fácil do bebê pegar, então a dieta do seu bebê pode ser limitada, a não ser que você seja muito criativa. Helen Pegg, health visitor do BabyCentre sugere que você inclua pelo menos algumas comidas amassadas no começo da introdução de sólidos. Isso permitirá que seu bebê tenha uma dieta mais variada.

Uma coisa que todos os defensores do BLW concordam é que é um processo muito bagunçado. Sua cozinha vai ficar cheia de comida – invista em uma toalha impermeável para colocar embaixo da cadeira do bebê e aceite a bagunça!

Existe algum motivo para eu não tentar BLW?

Se você tem histórico familiar de alergias, problemas digestivos ou intolerâncias alimentares, ou se seu bebê nasceu prematuro, fale com seu médico antes de começar. Se o seu bebê tem necessidades especiais e não tem habilidade para mastigar ou coordenação motora, talvez ele não consiga se alimentar sozinho, e portanto BLW não seria adequado para ele.

*health visitor: são profissionais da saúde – enfermeiras ou parteiras – treinadas para dar atendimento de saúde primário à bebês e crianças.

Finger food

Finger foods são a base da alimentação inicial do bebê BLW. Basicamente, eles podem comer qualquer coisa que eles consigam segurar. No começo, são pedaços grandes, a partir do oitavo/nono mês, quando eles desenvolvem a habilidade de fazer o movimento de pinças – pegar objetos entre o indicador e o polegar, podem ser introduzidos alimentos menores.

Este post é uma lista de idéias para finger food:

Frutas, verduras e legumes

  • Frutas maduras cortadas em fatias ou palito: pera, pêssego, melão, banana, manga, mamão, ameixa, maçã, kiwi, alperce, abacate, tomate.
  • Gomos de laranja ou tangerina.
  • Frutas inteiras ou cortadas ao meio: morango, uva, framboesa, mirtilo.
  • Fatias de legumes crus: pepino, pimentão.
  • Legumes cozidos/assados: cenoura, batata doce, vagem, couve- flor, brócolis, batata, milho verde, abóbora, ervilhas, abobrinha.

Laticínios

  • Cubinhos de queijo suave.

Carboidratos

  • torradas cortadas em fatias.
  • pão sírio.
  • macarrão – penne, fusilli.
  • cereal de café da manhã.

Proteínas

  • Pedaços de frango.
  • Pedaços de peixe.
  • Ovo cozido fatiado.

Molhos

“Molhos” são uma maneira de diversificar os sabores.

Mergulhe suas frutas em:

  • papinhas de frutas.
  • iogurte natural.

Mergulhe seus legumes, torradinhas e biscoitos em:

  • humus.
  • queijo cremoso (tipo philadelphia).
  • requeijão.
  • Mesmo bebês que começaram a introdução de sólidos de forma tradicional – papinha – podem começar a comer finger foods a partir dos 6 meses
  • Evite ao máximo dar comidas com açúcar adicionado e fique de olho na quantidade de sal que as comidas prontas contêm: cereal matinal, queijo, pão são coisas que costumar ter sal.
  • Sempre que puder, escolha a versão integral de farinhas e laticínios. A gordura dos laticínios é fonte importante de calorias. Leite integral pode ser dado como leite principal a partir de 1 ano, leite semi-desnatado não deve ser oferecido antes dos 2 anos e o desnatado antes dos 5.
  • Se o bebê recusar algum alimento, tente novamente após alguns dias.

Tirando o atraso

Uau, faz um tempo que não escrevo aqui, é por falta de vergonha na cara e preguiça mesmo. Não tenho muito o que escrever, já que não ando inventando muito – a não ser nos recheios do meu bolo de caneca. Já fizemos ervilha e presunto, ricota e espinafre, milho verde, brócolis e cenoura… A Lily adora.

Também não introduzi muita novidade nas últimas semanas – acho que sobrou pouca coisa pra apresentar!😀 As novidades das duas últimas semanas:

  • pimentão
  • tomate
  • pepino
  • figo

Acho que só isso mesmo – que vergonha! Vou me esforçar pra melhorar, tem uma couve ali na geladeira, vou inventar alguma coisa bem gostosa pra ela essa semana.

Bolo de caneca!

Uma vez uma amiga do Orkut postou uma foto de um tal de um bolo de caneca. Pedi a receita, ela me deu, e depois reparei que ela tinha a versão salgada no álbum também. Fiquei tempos com a receita na cabeça, pensando em experimentar o bolo salgado um dia. Pois o dia foi hoje. Sem muita inspiração, morrendo de preguiça, lembrei do bolo. É a solução perfeita pra dias de preguiça ou em que o tempo está escasso.

Bolo de caneca

  • Ingredientes

1 ovo

4 colheres de sopa de leite

3 colheres de sopa de azeite de oliva

1/2 abobrinha pequena ralada

1 cenoura pequena ralada

1 fatia de presunto picadinho

50g de queijo cortado em cubinhos pequenos

4 colheres de sopa rasas de farinha

1 colher de chá de fermento em pó

  • Modo de preparo

Em uma caneca, bata o ovo e misture os todos ingredientes, exceto a farinha e o fermento. Misture os dois por último, mexendo bem até formar a massa. Cozinhe no microondas por 4 minutos.

  • Minha amiga Anne é vegetariana, então a versão dela não tem presunto. Ela faz com tomate, orégano e queijo.
  • Sugiro misturar os ingredientes numa vasilha antes de colocar na caneca, porque a minha caneca é bem grandona, então pode entornar se feito numa caneca menor – eu não deixo passar de 3/4 da caneca pra não ter perigo.
  • Como sempre, o sal não é necessário – e quem preferir pode diminuir a quantidade de queijo. Eu tenho o grande defeito de ser mineira e colocar queijo em quase tudo.

Bolinhos de peixe

  • Ingredientes

100g de filé de peixe branco cozido

1 colher de sobremesa de gengibre ralado

1 dente de alho amassado

cebolinha bem picadinha a gosto

páprica a gosto

1 colher de sobremesa de suco de limão

farinha de trigo

margarina para fritar

  • Modo de preparar

Desfie o peixe e, numa vasilha, misture todos os ingredientes menos a farinha de trigo. Faça os bolinhos (chatos, tipo hambúrguer) e passe na farinha de trigo. Caso a massa não dê liga, coloque 1 colher de sopa de farinha de trigo antes de enrolar. Depois de passar na farinha de trigo, fritar em frigideira untada de manteiga por mais ou menos 4 minutos de cada lado.

Muffin salgado + novidades do cardápio

Essa semana até que nós não experimentamos muitas coisas novas, mas tudo que experimentamos foi aprovado!😀

Novos alimentos – 15/02 a 22/02

  • morangos
  • espinafre
  • milho verde na espiga
  • alcachofra
  • ricota
  • maracujá
  • alho poró

Tivemos uma semana sem muitas novidades e sem muitas receitas interessantes pra postar aqui, mas hoje fizemos para o almoço muffins de legumes e queijo, inspirado no muffin do meu amigo Nick, do blog My Daddy Cooks, que é ótimo para idéias de refeições BLW – mas cuidado ao ver os vídeos se você for alérgico à fofura, porque o Archie, o filho do Nick, é a coisa mais fofa do mundo cozinhando com o papai!

Muffin de legumes (e verduras e frutas) e queijo

  • Ingredientes

1 abobrinha

Brócolis à vontade

3 tomates picadinhos

100 g de queijo

200 g de farinha

1 colher de sopa de fermento em pó

175 ml de leite

50 ml de azeite de oliva

  • Modo de preparo

Cozinhe o brócolis (coloque 1 colher de sopa de água numa vasilha e leve ao microondas por 1 minuto). Numa vasilhe, misture o brócolis, a abobrinha ralada, o queijo ralado e o tomate. Coloque a farinha e o fermento em pó e misture bem. Misture o leite e o azeite. Com uma colher, coloque na forma. Asse por 30 minutos, em forno pré aquecido (200 graus).

  • Podem ser usados quaisquer legumes ou verduras, como cenoura, couve, espinafre, agrião.
  • Pode-se acrescentar pedacinhos bem pequenos de bacon ou presunto (mas não aconselharia para menores de 1 ano por causa da quantidade de sal, já que nosso muffin já tem queijo).
  • A receita do Nick leva 1 ovo. Da primeira vez que nós fizemos, seguimos a receita dele à risca, da segunda estávamos sem ovo, e achamos mais gostoso sem. Quem quiser fazer o teste, pode acrescentar o ovo, mas não se esqueça de verificar se o bolinho está bem cozido por dentro.
  • Para bebês pequenos, eu recomendo cortar o muffin em 4.
  • Como sempre, eu uso farinha integral.

Dia da panqueca

Hoje é o dia da panqueca no Reino Unido – não sei se em outros lugares do mundo existe, mas acho interessante, historicamente e gastronomicamente.

Historicamente, a terça-feira de carnaval é chamada também de terça-feira gorda porque é o dia que antecede o início da quaresma, época que os cristãos costuma(va)m jejuar, ou se privar de vários tipos de alimentos. O dia da panqueca teve origem aí, quando as pessoas esvaziavam o armário de coisas que não poderiam ser consumidas na quaresma e que não durariam 40 dias, como ovos, manteiga, leite.

Aqui em casa, nós adoramos panqueca e aproveitamos o dia pra tirar a barriga da miséria: é panqueca no café da manhã, no almoço e na janta!

No café da manhã, fizemos panquecas americanas. Eu tinha um pouco de mistura pronta *vergonha* mas é bem simples de fazer:

Panqueca americana

  • Ingredientes

1 xícara de farinha

1 ovo

1 colher de sobremesa de fermento em pó

1 xícara de leite

manteiga pra fritar

  • Modo de preparo

Pra quem tem liquidificador, é só bater tudo até ficar uma pasta homogênea. Pra quem não tem, é só bater tudo até ficar uma pasta homogênea. Fritar em um pouquinho de manteiga até ficar dourada.

No almoço e na janta, nós faremos panquecas inglesas – que são as panquecas tradicionais, de enrolar.  A receita é basicamente a mesma, só que mais líquida, então a panqueca fica fininha.

Panqueca inglesa

  • Ingredientes

1 xícara de farinha

2 ovos

2 xícaras de leite (300ml)

manteiga para fritar

  • Modo de preparo

Bate tudo no liquidificador – ou na mão se você for igual a mim😀 – e frite em frigideira untada em manteiga. Dá até pra fazer malabarismos quando se pega o jeito.

Coberturas e recheios

  • as americanas vão bem com geléia, ou calda de sorvete, ou xaropes tipo karo. Para a Lily, eu usei geléia St. Dalfour, que não tem açúcar. É meio carinha no Brasil – paguei R$15 no Carrefour – mas é deliciosa, na minha opinião são R$15 bem gastos.
  • as inglesas são tradicionalmente servidas cobertas em suco de limão e açúcar.
  • opções salgadas: molho bolonhesa, ricota, queijo + espinafre + bacon ou presunto.
  • opções doces: nutella, limão + leite condensado, sorvete, iogurte natural batido com frutas.

Tô louca pra ver a bagunça que a Lily vai fazer com as panquecas!😀 Mais alguma sugestão de recheios?


Muita coisa ao mesmo tempo

Bom, fim de semana é complicado postar aqui em casa, a gente aproveita pra passar tempo todo mundo junto – e eu trabalho aos finais de semana também, o que dificulta ainda mais. Então vou fazer um postzão pra postar uma das receitas que eu fiz no fim de semana, uma que eu fiz agora na hora do almoço e minha lista semanal de novos alimentos que a Lily experimentou.

Novos alimentos – 08/02 a 15/02

  • abacaxi
  • manga
  • mamão
  • abacate
  • ameixa seca
  • alperce (achei no dicionário português-inglês, para quem não conhece, é uma fruta parecida com pêssego)
  • atum

Resolvi variar das frutas que sempre vem pra gente – compramos diretamente de um vendedor de produtos orgânicos, mas como compramos o saco de frutas, toda semana vem 3 frutas variadas, mas não podemos escolher. Agora no inverno, tem vindo laranja, maçã, pera e uva.

A Lily gostou de todas as frutas novas, a primeira experiência com o mamão não foi das melhores, mas na segunda ela comeu tudo.

A receita que eu vou passar agora é uma mão na roda e foi aprovada pela bebê!

Shepherd’s pie

    • Ingredientes

    500g de batata

    1 colher de manteiga

    1 xícara de leite integral

    500g de carne moída

    3 cenouras cortadas em rodelas

    1 cebola picada

    1 dente de alho

    200g de tomate

    1 colher de farinha integral

    1/3 de cubo de caldo de carne dissolvido em 200ml de água fervente

    molho inglês

    uma porção de cogumelhos

    • Modo de preparo

    Cozinhe as batatas cortadas em água por 30 minutos. Enquanto isso, frite as cebolas e o alho em um pouquinho de azeite. Acrescente a carne moída. Quando a carne estiver totalmente cozida, acrescente a cenoura. Cozinhe por 5 minutos. Acrescente a farinha e cozinhe por um minutos, misturando bem na carne. Acrescente o caldo de carne e o tomate. Cozinhe até o caldo engrossar. Acrescente o molho inglês a gosto e os cogumelhos. Coloque o recheio em um pirex.

    Assim que as batatas estiverem cozidas, amasse, misture a manteiga e o leite para fazer um purê bem molinho. Cubra a mistura de carne com a batata e leve ao forno pré aquecido a 190 graus por 30 minutos.

    • O caldo de carne tem muito sal, por isso aconselho só um pedacinho (um cubo faz mais ou menos 750ml de caldo). Para quem mora aqui no Reino Unido, a Boots vende cubos de caldo para bebês, com pouquíssimo sal, que é o que eu uso. Não sei se existe alternativa com pouco sal no Brasil, mas em breve vou colocar aqui no blog uma receita de caldo de legumes sem sal que pode ser usado no lugar do caldo de carne.
    • Molho inglês: eu dou uma chacoalhada na garrafinha e o que cair é a quantidade que eu uso. hahahaha
    • Eu cozinho as batatas por 30 minutos pro purê ficar bem molinho, mais fácil de espalhar em cima da carne.
    • No recheio dá pra colocar qualquer legume que tiver na geladeira.
    • Apesar de dar perfeitamente para comer com a mão, a Lily prefere na colher. Eu abasteço a colher e entrego pra ela e ela come sozinha.

    Minha segunda receita do dia é uma receita doce, pra aproveitar algumas bananas que eu tinha.

    Biscoitos de banana e aveia

    • Ingredientes

    bananas

    aveia

    canela em pó

    • Modo de preparo

    Amasse as bananas, misture aveia até ficar uma consistência firme. Acrescente canela a gosto. Cubra o fundo de uma assadeira e leve ao forno pré aquecido (180 graus) por 25 minutos. Espere esfriar e corte em quadradinhos.

    • Essa receita não tem medida porque eu não medi nada mesmo. Usei 5 bananas e fui colocando aveia. Deu duas formas pequenas (de brownie) – não tenho nenhuma grande porque meu forno é bem pequeno.
    • Tenho fotos pra ilustrar esse post, mas preciso descarregar a câmera. Espero fazer isso mais tarde, quando a Lily estiver dormindo.

    A última coisa por hoje: minha bebezinha faz 8 meses hoje! Parabéns pra ela!🙂

    Sal, por que não?

    Bom, eu comecei batendo nessa tecla na primeira receita e provavelmente farei isso em todas. Mas por que? Porque os rins dos bebês ainda não são eficientes o suficiente para processar grandes quantidades de sal. O máximo que um bebê de menos de um ano pode consumir é 1g. O máximo recomendado para adultos é 6g, por isso é muito importante ler os rótulos de todos os alimentos que forem oferecido ao bebê com cuidado, já que a porcentagem que aparece nas embalagens geralmente se referem aos valores de referência de adultos.

    Então, um pouquinho pode? Poder, pode. Mas devemos sempre nos lembrar que alguns ingredientes já tem sal (queijo, por exemplo) e que outras coisas com as quais geralmente não nos importamos em conferir, como cereais matinais, também podem conter sal. Portanto, eu não uso e minhas receitas aqui nunca vão ter sal como ingrediente.

    Agora, vamos à receita do dia:

    Bolinho de arroz

    • Ingredientes

    2 xícaras de arroz cozido (eu cozinho no microondas, sem óleo e sem sal)

    1 ovo

    50g de queijo ralado

    1/2 abobrinha ralada

    1 cenoura grande ralada

    farinha (o suficiente para dar liga, quantidade depende do tamanho do ovo e da quantidade de líquido da abobrinha)

    • Modo de preparo:

    Misture tudo em uma vasilha. Molhe as mãos em água fria e faça os bolinhos. Asse em forno pré aquecido (200 graus) por 20 minutos.

    • Aqui em casa, se faz pouquíssima fritura; assamos tudo o que podemos assar. Quem preferir, pode fritar os bolinhos.
    • Eu uso farinha integral nos bolinhos, ficam lindos e deliciosos.
    • Queria usar arroz integral também, mas não sei fazer, eu acho, porque fica muito ruim. Aceito dicas de como cozinhar que não envolvam panela de pressão.
    • Pode-se acrescentar ervas, salsinha, cebolinha e outros legumes a gosto.

    O objetivo de colocar legumes na massa não é “esconder” esses alimentos e sim complementar o sabor e o valor nutricional do prato – não sei vocês, mas a Lily adora abobrinha!🙂

    « Older entries
    Seguir

    Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.